SBPPC

 
Obesidade dificulta diagnóstico e tratamento do câncer de mama
14/02/2018 Mulheres obesas precisam de mais cuidados na prevenção do câncer de mama, segundo um estudo sueco do Instituto Karolinska, apresentado no encontro anual da Sociedade Radiológica da América do Norte. O trabalho mostrou que aquelas com índice de massa corporal (IMC) acima de 30 correm o risco de descobrir os tumores apenas quando eles já estão grandes e, portanto, mais difíceis de tratar e curar. Assim, os pesquisadores sugerem que pessoas com o perfil realizem a mamografia com mais frequência. Médicos brasileiros, porém, questionam essa recomendação. Para realizar o estudo, os cientistas coletaram dados de mais de 2 mil mulheres diagnosticadas com câncer de mama em Estocolmo, na Suécia, entre 2001 e 2008. “Realizamos essa pesquisa para entender por que algumas mulheres não são diagnosticadas até que o tumor esteja grande”, afirma Fredrik Strand, principal autor do trabalho. “Examinamos muitas possíveis causas e descobrimos que o índice de massa corporal e a densidade mamográfica estão relacionadas a isso”, explica. Segundo o pesquisador, a descoberta de que o IMC elevado torna difícil a detecção dos tumores, mesmo nos exames, foi uma novidade. Os pesquisadores acompanharam as pacientes até 2015 e concluíram que tumores em mulheres com IMC elevado ou com a mamária densa não foram detectados até que já tivessem chegado a 2cm, o tamanho de um amendoim. Esse parâmetro é importante, pois é o que separa o estágio 1 do 2 da doença. Além disso, trata-se do tamanho em que o nódulo se torna palpável, o que favorece o diagnóstico precoce. O mastologista José Roberto Filassi, chefe do Setor de Mastologia da Divisão de Clínica Ginecológica da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), esclarece que a densidade da mama é o que dificulta o diagnóstico da doença e lembra que algumas mulheres não obesas também podem apresentar esse problema. “A mama densa não tem sensibilidade, assim fica mais difícil rastrear o tumor. Então, quem precisa de uma vigilância maior são mulheres com a mama densa, sendo elas obesas ou não”, diz. Por outro lado, já se sabe que o peso excessivo e o sedentarismo são fatores de risco para o câncer de mama, o que aumenta o alerta para mulheres que estão com índice de massa corporal elevado. “A recomendação é que a pessoa tenha um peso corporal adequado para diminuir o risco do câncer”, diz Arn Migowski, epidemiologista e chefe da Divisão de Detecção Precoce do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Estrogênio A associação entre obesidade ou sobrepeso com o câncer de mama acontece porque a gordura transforma outros hormônios em estrogênio, ou seja, quanto mais gordura, maior concentração do hormônio. “O estrogênio é um dos fatores que precisam estar presentes para que ocorra o câncer”, esclarece José Roberto Filasse. Segundo o Inca, a necessidade de fazer a mamografia é de uma vez a cada dois anos entre 50 e 69 anos, o que se aplica também às pessoas obesas. Entretanto, aquelas que fazem parte de grupos de risco precisam começar o rastreamento mais cedo e com maior frequência, de acordo com a recomendação médica. Mulheres com histórico familiar da doença (parentes de primeiro grau), aquelas com determinadas mutações genéticas e que já foram diagnosticadas com outros tumores malignos estão entre as com risco aumentado. Por Sara Sane- Estagiária sob a supervisão da subeditora Carmen Souza Correio Braziliense
 

Fique por Dentro

Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
23/05/2018 Há pelo menos 20 anos estudos têm mostrado que o consumo moderado de álcool pode ter efeito cardioprotetor em grande parte das pessoas, mas ainda não se sabia ao certo por quê.
Ler mais...
 
Anvisa aprova novo genérico para tratamento da hepatite C
22/05/2018 Produto inédito atua como inibidor de enzima essencial para a multiplicação do vírus no organismo humano.
Ler mais...
 
Anvisa quer mudanças na rotulagem nutricional de alimentos
22/05/2018 Órgão aprovou relatório preliminar sobre o tema, que seguirá para contribuição da sociedade em Tomada Pública de Subsídio e testes dos modelos propostos.
Ler mais...
 
Anvisa investiga risco de antirretroviral dolutegravir
21/05/2018 O medicamento dolutegravir (DTG) está sob investigação da Anvisa por suspeita de ocorrência de defeitos de tubo neural (DTN) em mulheres que foram expostas ao produto no momento da concepção. O trabalho é conduzido pela Gerência de Farmacovigilância.
Ler mais...
 
Plataforma usa inteligência artificial para diagnosticar Zika e outros patógenos
18/05/2018 Uma plataforma capaz de diagnosticar diversos tipos de doenças, com alto índice de precisão, por meio de marcadores metabólicos encontrados no sangue de pacientes foi desenvolvida por cientistas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).
Ler mais...
 
©SBPPC - Sociedade Brasileira de Profissionais em Pesquisa Clínica - Denvolvido por:Boschi Design