SBPPC

 
Mais de 28.000 plantas possuem propriedades medicinais, afirma Kew Gardens
18/05/2017 Existem mais de 28.000 espécies de plantas com propriedades medicinais, mas muitas das quais não são aproveitadas em razão da falta de conhecimento e documentação, revela um relatório divulgado nesta quinta-feira por uma importante instituição botânica britânica, a Kew Gardens de Londres. Em seu segundo relatório anual, um verdadeiro censo mundial do mundo vegetal, foram listadas 28.187 plantas com virtudes medicinais, uma estimativa "provavelmente muito conservadora". Entre as novas plantas descobertas no ano passado estão nove espécies de uma trepadeira chamada Mucuna, utilizada no tratamento da doença de Parkinson. "O relatório destaca o grande potencial no uso de plantas, em áreas como a diabetes e a malária", explicou Monique Simmonds, vice-diretora do departamento científico do jardim botânico de Londres. O relatório recorda que as substâncias de duas plantas, a artemisinina e o quinino, são "duas das armas mais importantes" contra a malária, que matou 400.000 pessoas em 2015. Mas apesar do seu potencial, menos de 16% das espécies utilizadas em remédios estão citadas em periódicos médicos, observa o relatório. No total, 128 cientistas de 12 países trabalharam na elaboração do relatório "Estado Mundial das Plantas", contendo 1.730 novas espécies em comparação com o ano anterior. Entre elas estão cinco novas espécies de manihot descobertas no Brasil, sete novas aspalathus - usadas para a infusão - e uma nova Pastinaca sativa descoberta na Turquia. Os riscos da globalização O relatório constata a destruição de plantas por meio de imagens de satélite. Os pesquisadores descobriram que, em 16 anos, "uma média anual de 340 milhões de hectares são queimados", grosso modo "o tamanho da Índia", indicou à AFP a doutora Sarah Wyse, que contribuiu para o relatório. Enquanto este número parece alarmante, Wyse esclarece que algumas plantas precisam desses incêndios "para se regenerar". "Estes incêndios não são em si uma coisa ruim para muitos ecossistemas", indica. O relatório estima que "o custo potencial para a agricultura mundial caso não se detenha a propagação de parasitas invasivos e patógenos" será de 540 bilhões de dólares por ano. Os autores pedem "medidas mais rigorosas de biossegurança", especialmente para o comércio de plantas vivas. A globalização do comércio e as viagens internacionais facilitam, por exemplo, a propagação de grilos e lagartas legionárias, particularmente destruidoras de milho. O jardim botânico de Kew Gardens, no oeste de Londres, é o lar de uma das mais importantes coleções botânicas do mundo, e é um centro de pesquisa amplamente reconhecido que visa tornar o seu relatório anual uma ferramenta de referência. Fonte: France Presse - Londres, Reino Unido Via: Correio Braziliense
 

Fique por Dentro

Ciência avança em tratamento contra câncer de cérebro com vírus inativos
22/09/2017 Um dos tipos de câncer mais letais, com índices de óbito em cinco anos estimados em 75% (adultos) e 99% (crianças), o glioma de alto grau ainda é um desafio para os médicos devido, principalmente, à sua localização no cérebro, que dificulta a cirurgia de retirada do tumor. Isso deixa a ação clínica dependente da quimioterapia tradicional e da radioterapia, que têm sucesso limitado. Dois estudos publicados ontem em importantes revistas científicas, a Science Translational Medicine e a Nature, propõem novos esquemas de tratamento que, se confirmados, poderão aumentar a sobrevida dos pacientes. Os experimentos, feitos em animais, baseiam-se em avanços na compreensão da ação do sistema imunológico contra a doença.
Ler mais...
 
Anvisa vai rever metodologia para inspeções internacionais
21/09/2017 Foi aprovada nesta terça-feira (19/9), pela Diretoria Colegiada da Anvisa, Proposta de Resolução para alterar a RDC nº 39/2013, que “dispõe sobre os procedimentos administrativos para concessão da Certificação de Boas Práticas de Fabricação e da Certificação de Boas Práticas de Distribuição e/ou Armazenagem”, e a RDC n° 15/2014, que “dispõe sobre os requisitos relativos à comprovação do cumprimento de Boas Práticas de Fabricação para fins de registro de Produtos para Saúde e dá outras providências”.
Ler mais...
 
Anvisa finaliza reavaliação toxicológica do Paraquate
20/09/2017 Na Reunião Ordinária Pública desta terça-feira (19/09), a Diretoria Colegiada da Anvisa (Dicol) concluiu a reavaliação toxicológica do ingrediente ativo Paraquate, iniciada em 2008 e, desde então, estudada exaustivamente pela Agência e discutida com o setor regulado e a sociedade. A deliberação é pelo banimento do produto após três anos de prazo para transição. O Paraquate é um herbicida com uso agrícola autorizado para aplicação em pós-emergência de plantas infestantes e como dessecante em diversas culturas, incluindo algodão, milho e soja.
Ler mais...
 
Estudo feito na Unicamp permite traçar o roteiro da obesidade
20/09/2017 Ao investigar, na última década, os fatores associados à crescente epidemia global de obesidade, cientistas identificaram dois eventos que contribuem fortemente para o ganho de peso.
Ler mais...
 
Publicada norma sobre prescrição de buprenorfina
19/09/2017 A RDC n° 169/2017, publicada no Diário Oficial da União de 17 de agosto de 2017, alterou o tipo de receita médica exigida para a compra de medicamentos contendo a substância buprenorfina na forma farmacêutica adesivos transdérmicos em matriz polimérica adesiva, ou seja, sem reservatório de substância ativa.
Ler mais...
 
©SBPPC - Sociedade Brasileira de Profissionais em Pesquisa Clínica - Denvolvido por:Boschi Design