SBPPC

 
Lista oficial de fármacos inclui Cannabis
17/05/2017 A Anvisa atualizou a lista das Denominações Comuns Brasileiras (DCB) com a inclusão de 19 novas substâncias entre produtos biológicos, princípios ativos, excipientes e plantas de interesse da indústria farmacêutica. A atualização da lista é uma rotina da Agência, mas a alteração chamou a atenção desta vez pela inclusão da Cannabis Sativa L., a maconha. A inclusão, no entanto, não altera as regras para importação de medicamentos com canabidiol ou outros extratos da maconha. A medida também não é uma autorização ou reconhecimento da Cannabis como planta medicinal. Isso porque a DCB é uma lista de nomes oficiais para todas as substâncias que são ou podem vir a ser de interesse da indústria farmacêutica no Brasil. Como funciona a lista? A lista (DCB) define os nomes oficiais de uma série de substâncias para que a Anvisa e os fabricantes de medicamentos falem a mesma língua. Se um fabricante, por exemplo, pedir o registro de um medicamento, as substâncias precisam aparecer na lista para que o fabricante faça o pedido e a Anvisa inicie a análise, independentemente do resultado. Ou seja, qualquer processo só começa a ser analisado se a substância já constar na lista. Mas já não existe medicamento com Cannabis registrado no país? O medicamento registrado no Brasil é o Mevatyl ®, que contém substâncias extraídas da Cannabis, mas não a planta em si. Ou seja, o Mevatyl é obtido a partir de extratos isolados da Cannabis. A planta não estava na lista DCB ainda. Com a publicação, significa que a Cannabis foi reconhecida como planta medicinal? Não. Para que isso aconteça seria necessário que um empresa apresentasse um pedido para registro de um medicamento feito com a planta em si e isso ainda não aconteceu. O registro do medicamento não analisa apenas as substâncias utilizadas, mas todo o processo de extração, síntese e produção do produto. É isso que vai garantir que o produto gere os efeitos desejados de tratamento. DCB é diferente de Farmacopeia? Sim. A DCB é apenas a lista de nomes oficiais. A Farmacopeia é um compêndio de monografias que detalham a forma de fabricação de um medicamento e seus padrões de qualidade para que possam ser registrados no Brasil. A DCB foi atualizada pela resolução RDC 156/2015. Fonte: http://portal.anvisa.gov.br/noticias/-/asset_publisher/FXrpx9qY7FbU/content/lista-oficial-de-farmacos-inclui-cannabis-/219201?p_p_auth=GpT1mxW0&inheritRedirect=false&redirect=http%3A%2F%2Fportal.anvisa.gov.br%2Fnoticias%3Fp_p_auth%3DGpT1mxW0%26p_p_id%3D101_INSTANCE_FXrpx9qY7FbU%26p_p_lifecycle%3D0%26p_p_state%3Dnormal%26p_p_mode%3Dview%26p_p_col_id%3D_118_INSTANCE_dKu0997DQuKh__column-2%26p_p_col_count%3D2
 

Fique por Dentro

Estudo revela que um terço dos casos de demência é evitável
22/07/2017 Controlar fatores do estilo de vida, como perda de audição, tabagismo, hipertensão e depressão pode evitar um terço dos casos de demência no mundo, de acordo com um novo estudo publicado na revista científica "Lancet".
Ler mais...
 
Pessoas com hepatite C têm mais chances de desenvolver diabete
21/07/2017 Algumas doenças humanas são sistêmicas e, em vez de afetar um único órgão, criam uma cadeia de reações no organismo que pode agravar ou desencadear outros problemas. É o caso da hepatite C, infecção causada por um vírus que afeta, principalmente, o fígado.
Ler mais...
 
Casos de infecção por HIV crescem 3% no Brasil desde 2010, diz Unaids
20/07/2017 Os s casos de infecção por HIV cresceram 3% no Brasil desde 2010 até o ano passado, de acordo com novo relatório da Unaids, programa das Nações Unidas sobre a Aids, publicado nesta quinta-feira (20).
Ler mais...
 
Painel discute descarte e reúso de linhas de diálise
20/07/2017 A proibição ou a permissão do reúso de linhas de diálise foram o tema da discussão durante o painel técnico realizado pela Anvisa nesta quarta-feira (19/7). Durante o evento, foram apresentados pontos favoráveis e contrários à reutilização das linhas para procedimentos de diálise como hemodiálise, hemofiltração, diálise peritoneal, entres outros.
Ler mais...
 
Altas doses de vitamina D são ineficazes contra infecções respiratórias
19/07/2017 Altas doses diárias de vitamina D não são eficazes para diminuir as infecções respiratórias nas crianças, de acordo com um estudo publicado nesta terça-feira (19/7) na revista médica "Journal of the American Medical Association" (JAMA).
Ler mais...
 
©SBPPC - Sociedade Brasileira de Profissionais em Pesquisa Clínica - Denvolvido por:Boschi Design